ALOCAÇÃO DE VALOR PARA OS STAKEHOLDERS: UM ESTUDO NO SETOR FINANCEIRO

Raísa Vocce Rudzevicius, João Maurício Gama Boaventura, Keysa Manuela Cunha de Mascena, Greici Sarturi

Resumo


A alocação de valor para stakeholders é um campo de estudo recente que ainda apresenta lacunas na literatura. Por um lado, há a proposta de que as empresas que gerenciam para os stakeholders devem alocar um valor maior que o mínimo necessário para manter um relacionamento com eles e ter acesso aos recursos que eles fornecem. Por outro lado, uma alocação de valor superior incorre em custos, e não são estabelecidos quais os limites para a alocação de valor para stakeholders. Neste contexto, o objetivo desta pesquisa é analisar o padrão de alocação de valor para os stakeholders, testando empiricamente o modelo de Harrison e Bosse (2013). O modelo associa a alocação de valor para stakeholders a duas características do stakeholder: o poder e a importância estratégica. Para investigar este fenômeno, realizou-se uma pesquisa descritiva e propôs-se um método de análise de conteúdo em relatórios que adotam o padrão da Global Reporting Initiative (GRI). A amostra analisada é composta por empresas do setor financeiro que publicaram relatórios na base de dados GRI. Os resultados da pesquisa corroboram parcialmente o modelo de Harrison e Bosse (2013), pois um stakeholder com prioridade máxima, ou seja, alto poder e alta importância estratégica, recebeu pouco valor. Este resultado contraria a proposição do modelo teórico de que uma subalocação de valor para stakeholders com estas características seria improvável. Os resultados desta pesquisa também indicam que a variável poder apresenta uma influência superior na alocação de valor em relação à variável importância estratégica. Este resultado pode indicar que a capacidade do stakeholder de prejudicar a empresa pode exercer alta pressão nos gestores para alocação de maior valor, mesmo que o stakeholder não seja aquele que mais contribui para a criação de valor. Neste sentido, propõe-se a seguinte hipótese: O padrão de alocação de valor para stakeholders têm forte correlação com o poder do stakeholder e fraca correlação com a importância estratégica do stakeholder. Este estudo apresenta uma contribuição empírica, ao descrever a alocação de valor para os stakeholders em uma amostra de empresas brasileiras do setor financeiro. A pesquisa apresenta também uma contribuição metodológica, ao desenvolver um método de análise da alocação de valor para stakeholders. Ademais, não foram encontrados estudos empíricos que testem o modelo de Harrison e Bosse (2013), e esta pesquisa contribui ao propor um método de operacionalização do modelo e ao testá-lo empiricamente. Por fim, esta pesquisa apresenta uma contribuição gerencial, abordando como a importância estratégica e o poder dos stakeholders, bem como a alocação de valor para stakeholders são revelados por meio dos relatórios divulgados pelas empresas. A publicação de relatórios é uma importante ferramenta de divulgação da estratégia da empresa para os públicos interessados, e é também um veículo para engajamento dos stakeholders, quando estes percebem que são recompensados de forma justa pela sua participação na empresa.

Palavras-chave


Stakeholders. Alocação de valor. Setor financeiro. Análise de conteúdo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15600/rau.v16i1.1123

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Journal of Directors of Unimep. ISSN 1679-5350. Electronic publication linked to the Professional Program Master's and Doctorate in Business Administration, Methodist University of Piracicaba

Diario de Administración de Unimep. ISSN 1.679-5.350. Publicación electrónica vinculada a la del Programa de Maestría y Doctorado Profesional en Administración de Empresas, Universidad Metodista de Piracicaba.

Revista de Administração da Unimep. ISSN 1679-5350. Publicação eletrônica vinculada ao Programa de Mestrado Profissional e Doutorado em Administração da Universidade Metodista de Piracicaba.