APRENDIZAGEM EM ORGANIZAÇÕES: REFLEXÕES A RESPEITO DA PRODUÇÃO ACADÊMICA NACIONAL. DOI: 10.15600/1679-5350/rau.v13n3p101-124

Mariana Guerra, Adalmir de Oliveira Gomes, Catarina Cecília Odelius

Resumo


O estudo buscou mapear a produção acadêmica nacional em aprendizagem em organizações. A literatura indica haver uma dicotomia entre as duas abordagens principais referentes ao tema, Aprendizagem Organizacional (AO) e Organizações que Aprendem (OA), e identifica a primeira com uma abordagem descritiva e a segunda com prescritiva. Tendo como premissa de que a produção de conhecimento na área de Administração ocorre em um processo cíclico em que tanto a descrição quanto a prescrição relativa a um fenômeno contribuem para a evolução do conhecimento, este estudo tem como objetivo identificar o estágio de desenvolvimento do conhecimento em relação ao tema no Brasil. No total, foram analisados 56 artigos, publicados em doze periódicos nacionais de Administração, no período de janeiro de 2000 até julho de 2011. Foram utilizados os seguintes critérios de análise: (a) abordagem, (b) enfoque, (c) tipo de pesquisa, (d) nível de análise, (e) recorte temporal, (f) metodologia, (g) base teórica, (h) referências bibliográficas, (i) existência de dicotomia entre as duas abordagens predominantes – AO e OA, (j) complementaridade entre os enfoques descritivo e prescritivo, e (k) evolução teórica. Os resultados indicam que a maioria dos estudos se refere à abordagem AO e ao enfoque descritivo, e que a associação entre AO-descrição e OA-prescrição parece não ser tão evidente como aponta parte da literatura. Por meio dos resultados obtidos, também é possível observar que os estudos nacionais na área de aprendizagem em organizações ainda são muito incipientes e não se preocupam com o processo de teorização e com a construção do conhecimento, segundo modelo proposto por Tsang (1997). Para o referido autor, os estudos descritivos na abordagem AO são aqueles que objetivam uma ‘construção teórica’, seja por meio da proposição de novos conhecimentos ou da descrição de novas variáveis de um mesmo fenômeno. Por outro lado, para a abordagem OA, dado seu enfoque prescritivo, o objetivo seria contribuir para o aumento do desempenho organizacional. Nesse sentido, para Tsang (1997), o processo no qual se dá a evolução do conhecimento seria uma sequência descrição-prescrição. Os resultados da presente pesquisa, considerando o referido modelo, indicam que a produção acadêmica nacional em aprendizagem em organizações, pela amostra de publicações analisadas, ainda carece de estudos mais consistentes relativos ao fenômeno. A sequência descrição-prescrição proposta por Tsang (1997) poderia contribuir para complementaridade entre os diferentes enfoques e também para fornecer subsídios teóricos para a realização dos estudos mais consistentes. Pela discussão apresentada e pelos resultados descritos, o presente trabalho é importante por fornecer um quadro de orientação da produção acadêmica nacional relativa à aprendizagem em organizações.

Palavras-chave


aprendizagem organizacional; organizações que aprendem; prescrição; descrição

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15600/rau.v13i3.810

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Journal of Directors of Unimep. ISSN 1679-5350. Electronic publication linked to the Professional Program Master's and Doctorate in Business Administration, Methodist University of Piracicaba

Diario de Administración de Unimep. ISSN 1.679-5.350. Publicación electrónica vinculada a la del Programa de Maestría y Doctorado Profesional en Administración de Empresas, Universidad Metodista de Piracicaba.

Revista de Administração da Unimep. ISSN 1679-5350. Publicação eletrônica vinculada ao Programa de Mestrado Profissional e Doutorado em Administração da Universidade Metodista de Piracicaba.